sexta-feira, 27 de março de 2009

JPEG ou RAW?

Uma das maiores indagações de quem pega sua primeira dSLR (digital single lens reflex), ou seja, sua primeira câmera fotográfica digital com sistema de troca de lentes, é qual padrão de arquivos usar: RAW ou JPEG?

Essa questão é bastante comum, já que nas câmeras compactas (ao qual muitos vieram), não possuía tal recurso disponível.

O RAW é uma expressão inglesa que significa "cru", ou seja, é a denominação que se dá ao arquivo como foi capturado pelo sensor da câmera, sem qualquer alteração, manipulação ou compactação.
Apesar do arquivo RAW trazer consigo algumas das configurações ajustadas na câmera, como balanço de brancos, pre-sets de vividez, neutral, etc, isso tudo pode ser editado facilmente em qualquer programa que permite ajustes finos nestes arquivos. O mais comum é o Adobe Camera RAW, o famoso ACR; ou também pode ser utilizado o próprio utilitário da câmera, como o Nikon NX, Canon Picture Style, entre outros (apesar destes softwares não serem "free").

A principal vantagem de se usar o RAW é preservar a imagem de forma integral, ao contrário do que acontece com o JPEG.
Para o JPEG ser leve, ele descarta uma boa parte de informações da imagem, objetivando torná-la mais leve e fácil de armazenar. Isso tem um custo, que é justamente detalhes finos que acabam se perdendo.
O JPEG tem uma compactação de 8 bits por pixel e o RAW 12 bits.
Com isso, o JPEG acaba tendo uma latitude menor que o RAW, que além de compactar bastante a imagem, acaba passando por tratamentos determinado pelo próprio fabricante. Se esse tratamento for bastante agressivo (principalmente para diminuição de ruídos), a imagem fatalmente acabará perdendo detalhes bastante significativos de nitidez (veja na comparação acima - clique para ampliar) e por questões da própria latitude menor, não consegue mostrar bem elementos em áreas de sombras e em imagens com alto contraste de luz e sua penumbra. Veja abaixo como se consegue ver mais detalhes de sombra na imagem RAW do que na JPEG:
Com o arquivo RAW em mãos, as possibilidades de edição são praticamente ilimitadas.
Você pode ajustar o balanço de brancos, mesmo que você tenha configurado manualmente na câmera qual deveria ser usado (luz natural, fluorescente, incandescente, etc).
Vários são os ajustes permitidos, como alterar a exposição, a vibrancia e a saturação; preencher luz (fill light), equilibrar contrastes, brilhos e a curva de tons. Na área de cores, pode alterá-las como quiser, além de mexer na saturação e luminância de cada um dos canais. Poderá inclusive aumentar a nitidez da imagem (com vários ajustes inteligentes), fazer cortes, acertar vinhetas, corrigir Purple Fringing (aberrações cromáticas) e muito mais.
Agora a característica que mais acho interessante fica nas opções de Workflow, que lhe permite alterar o padrão de cores (RGB, Adobe RGB, etc) e interpolar a imagem para se apresentar em um tamanho maior do que originalmente foi concebida. Claro que existem perdas, mas elas são bastante minimizadas se comparado a simplesmente aumentar seus pixeis no Photoshop ou qualquer outro programa de edição. Uma fotografia originalmente concebida em 6 megapixels, poderia por exemplo ser interpolada para 25 megapixels. Claro que para impressão com visualização próxima, não ficará um primor, mas para painéis e quadros que serão visualizados a uma distância maior que seis metros, ficará excelente.

Com todos esses recursos à distância de um click de mouse, dá para conseguir maravilhas na foto final. Posso falar disso com muita propriedade, porque já tive fotos que eu mesmo fiz salvas quase que "milagrosamente" por ter usado o sistema de arquivos em RAW. Foto que originalmente estava lavada, sem cores, contrastes e com baixíssimas luzes foram equilibradas e conseguiram exprimir um belo resultado. Já tive inclusive fotografias onde o estouro do flash acabou sendo maior do que deveria, praticamente sumindo com informações em determinadas áreas da foto e que depois de ajustes foram recuperados.

Como dito anteriormente, RAW quer dizer que se trata de um arquivo cru e essa extensão é utilizada na informática de maneira bastante abrangente. Além de ser uma imagem sem compressão, pode ser também um vídeo ou qualquer outro arquivo de utilização diversa.
Cada fabricante adotou uma "extensão proprietária" para seus arquivos raw, ficando conhecido desta forma:

  • Canon............................... CR2 e CRW
  • Sony................................. SFR e ARW
  • Nikon................................ NEF
  • Olympus............................ ORF
  • Fuji Film........................... RAF
  • Minolta............................. MRW
  • Pentax............................. PEF
  • Adobe.............................. DNG
Mas como nem tudo nessa vida são flores e, acabam tendo um custo para contrabalancear, muitas pessoas deixam de utilizar o RAW por conta do tamanho final em que ficam os arquivos.
Apesar de algumas câmeras utilizarem um algorítimo de compressão maior para tentar economizar espaço, ainda assim teremos um arquivo final cerca de cinco vezes maior que o JPEG.
Além disso, o RAW é mais lento para gravação, diminuindo por exemplo a quantidade de imagens que se faz em modo burst (fotos feitas em sequência rápida). Em câmeras não dSLR, podem ser bastante lentas para fazer gravação no cartão. Era o caso da S9100, câmera prossumer da Fujifilm, que demorava até quase 4 segundos para gravar uma imagem RAW.

Outro ponto de reclamação é na hora de visualizar os arquivos. Nem nem todos os players de imagens (visualizadores de fotos) conseguem mostrar e manipular arquivos desta extensão. Apesar de hoje, com o advento das dSLRs de entrada, a utilização do RAW tem cada vez se popularizado mais, a ponto de se garantir como um padrão bem mais difundido do que antes.
Apesar das aberrações cromáticas serem de responsabilidade da lente utilizada, elas tendem a ficar mais evidentes no RAW do que no JPEG, pois o segundo passa pelo tratamento de imagem (comentado acima) que busca corrigir essas anomalias. Como o RAW é um arquivo cru, não poderia contar com esse "tratamento".

Agora vem o pior: todas as fotos terão que passar por programas de ajustes (ACR e oturos)...
Claro que é pior para uns e uma glória para outros, porque muitos não deixam de dar pelo menos uma tratadinha básica de 5% em suas fotos. O controle e a qualidade final é maior, mas você terá que trabalhar nas imagens para torná-las exatamente como você quer.

Então, conforme explicado, o formato é realmente versátil e consegue garantir maravilhas nas suas fotos. Mas por que nem todo mundo utiliza o RAW como padrão?
Porque nem todos estão aptos ou gostam de manipular suas fotos. Simples assim.

O JPEG é um formato bastante cômodo e conhecido: é leve tanto para armazenagem no cartão quanto armazenagem posterior (backups em mídias diversas). Traz uma saturação de cores levemente superior e que agrada a maioria do público. Além de já trazer ajustado as definições que você configura na câmera.
O formato JPEG exige menos cartões e isso pede menos investimentos. Se antes cabia 300 fotos em um cartão de 2Gb, em RAW passará a caber somente 90.
Em um evento, vai te obrigar a fazer mais trocas de cartões.
Na hora de selecionar fotos, os arquivos em RAW por serem mais pesados, podem tornar o trabalho mais lento e posteriormente mais chato para armazenar.

Quando me perguntam qual dois dois é melhor para se usar, respondo que vai depender muito da situação.
Se você irá prestar um trabalho profissional e precisa garantir muito mais os resultados, melhor optar pelo RAW por conta da sua mobilidade e versatilidade na edição.
Agora se você vai fazer fotos pessoais, eventos sociais, como o aniversário de 80 anos da sua tia-avó, para quê usar RAW e ter que se preocupar posteriormente com ajustes em cada uma das fotos? Pode ficar tranquilo, porque a sua tia-avó não irá parecer mais jovem e bonita por conta de você ter usado RAW ou JPEG (rsrs).

Portanto a escolha é bastante pessoal e totalmente dirigida ao objetivo das suas fotos.
A diferença existe e cabe a você escolher em qual momento irá optar por um ou outro padrão.
Inclusive as câmeras compacta super zoom e algumas compactas simples já estão trazendo o RAW como opção de extensão. O que era privilégio de profissionais e amadores avançados, está se popularizando para a grande massa. O que é muito bom, porque tecnologia ao meu ver precisa estar presente para todos.

Até a próxima.

Gostou? Não gostou? Deixe um comentário.

16 Comentários:

Messias disse...

Olá Rodrigo,parabéns pelo Blog ! Está muito bonito e informativo.Sucesso e um ótimo fim de semana.

Fernando Abranches disse...

Rodrigo, meu amigo, parabéns pelo excelente artigo sobre raw e jpg. Vai me ajudar muito.

Renan Odorizi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renan Odorizi disse...

Fala Rodrigão,

Cara ta show o seu blog...tenho ficado tao sem tempo para fazer a visita por aqui, e fazia tempo que não passo por aqui nem no flickr!!Está de Parabéns, muito bom o blog!

Abraços brother

LeoAlfaro disse...

Seu blog esta muito bacana.... adorei esse artigo do raw!!! muito bom..

Leoalfaro

Sergio P. Godoy disse...

Excelente blog. Parabéns!

Anderson disse...

Sabia que encontraria aqui, um texto leve, tal qual o JPEG e com informações pesadas, tal qual o RAW. rsrs

Excelente...
Como lhe disse:quero o RAW nos Trabalhos Profissionais e o JPEG nos eventinhos simples...rsrs O que me atrasa o lado é esse ACR não funfar* no meu CS3... =/

Parabéns mais uma vez pelo artigo.
Abs

Anderson Sutherland

Stella Brazil disse...

Gostei da explicação Rodrigo...vamos de raw mais vezes então...rs

Flavio Ricci disse...

Muito bacana esse artigo sobre RAW e JPEG, você esta de parabéns...
Inclusive esses artigos teus servem de consultas na hora das dúvidas...

Abração Irmão.

Ricci.

Gustavo Tolsk disse...

Excelente artigo Rostev.
Você deveria fazer outros acerca da fotografia.
Meus parabéns.

Renato LTE disse...

Fala Rostev, muito bom o artigo e o blog.
Parabéns

Anônimo disse...

excelente comentario de ficheiros

Renato Lopes disse...

Rostev, agradecimentos pela explicação. Comprei minha dSLR a pouco e esta era uma pulga atrás da orelha.

abraço

Adriano disse...

Gostaria de tirar uma duvida.
Minha camera tem possibilidade de fotos RAW + JPG (fino, medio e baixa resolução ).
Sei que o RAW estará em alta definição mas gostaria de saber se é vantagem gravar tb em JPG ou não , e se sim seria melhor gravar JPG baixa resolução e caso necessário uso RAW para edições?

Fernando LF StuidoPhoto disse...

Olá Rostev, muito legal seu blog, e otimo artigo, um outro dia estavamos eu e um outro fotografo, discutindo sobre com o que trabalhar Raw ou Jpeg? eu sempre usei Raw desde a promeira vez em que peguei uma DSLR na mão, e ele só Jpeg, ele falava na discução:"por quê usar Raw se eu usando Jpeg abro o Jpeg no ACR pelo Bridge e posso interpolar a imagem e tratá-la como se foce um Raw, e usar Raw e ter que comprar muitos cartões de memoria e lotar meu PC após ter tirado as fotos e depois usar muitas midias para beckup?"
Lutei em falar para ele das perdas usando Jpeg, mas ele me disse novamente: "até quanto vai essa perda? para meus albuns de casamento que faço nao preciso de tanto assim"
Confesso que na hora fiquei sem resposta e estou pesquizando bastante para quanto encontrá-lo novamente poder ter em mãos a resposta certa, afinal um, trabalho tem que ter muitas qualidades.

Fabio Sousa disse...

Não tem como ler seu artigo e não fazer um comentário pelo excelente texto.

Foi muito útil para tirar todas as minhas dúvidas sobre o formato.

Muito Obrigado

Postar um comentário

Se você não é um usuário do Blogger (Google) ou Wordpress, utilize a opção Nome/URL (se não tiver um site, deixe essa opção em branco). Não deixe de completar o formulário com seu nome ou apelido, pois é importante sabermos quem fez o comentário.

JAMAIS COMENTE DE FORMA ANÔNIMA.

Marcadores

Leitores

Notícias


Assine nosso Feed
Receba os artigos por email


BlogBlogs.Com.Br BlogBlogs.Com.Br

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO